top of page

Aniversário infantil, do passado às tendências atuais

A evolução das festas de criança

Quem não lembra das festas em casa, com o bolo retangular no centro da mesa rodeado por muitos brigadeiros e beijinhos enfileirados? E o que dizer da decoração com plaquinhas de isopor e toalha de mesa de crepom, que fez sucesso durante muito tempo? Ao longo desses 25 anos de história, CRESCER acompanhou as principais tendências do mercado de festas infantis e mostra agora o que mudou e o que vai continuar em alta


Um acervo digital e mais 299 edições da revista CRESCER resultaram na reportagem que você vai ver agora: uma verdadeira viagem no tempo das festas. Ao longo desses 25 anos, CRESCER sempre acreditou que comemorar aniversário é uma experiência que marca a vida e cria memórias afetivas. Quem nunca abriu um álbum com fotos daquela festa na infância e não apreciou cada detalhe do momento? Para contar essa história, também buscamos um time de festeiras que viram de perto as mudanças ganharem cor e forma. Aproveite cada lembrança!


QUANTA MUDANÇA!

É até difícil acompanhar o mercado das festas infantis, já que a cada hora surge uma novidade. Mas nem sempre foi assim. “Da década de 90 para cá, as festas ficaram iguaizinhas para todo mundo durante uns 12 anos. Mas com a chegada dos anos 2000, o acesso em massa à internet e a facilidade para viajar para fora do país levaram a uma reviravolta”, conta Lilian Ruas, que comandou por 18 anos uma empresa de festas e chegou a fazer 80 por fim de semana. Abaixo ela apontou as principais mudanças que aconteceram ao longo dos últimos anos:



Doces em tudo

Por um bom tempo, beijinho, brigadeiro, bicho de pé e olho de sogra foram sinônimos de itens decorativos. As jujubas e os pirulitos também marcavam presença, não só na mesa principal como também em painéis e vasinhos. O brigadeiro, considerado o rei da festa, era enfileirado por toda a mesa, juntamente com alguns beijinhos, lembra?



O que mudou

As jujubas agora aparecem em tubetes ou outras embalagens na mesa, porém, em número reduzido, e o pirulito agora está transparente. Já os docinhos boleados (enrolados à mão) continuam em cena, mas com nova roupagem: o confeito que cobre o brigadeiro agora é mais sofisticado, podendo ser feito com chocolate ralado ou outras combinações mais nobres. “A apresentação também mudou. A forminha de papel deu lugar aos “tapetinhos” de papel bordado e celofane, seguidos pelas flores de tecido, que deixam a mesa linda”, diz a consultora e palestrante de festa Lilian Ruas (SP). Os toppers para decorar os doces vieram junto com os produtos personalizados e se mantêm em alta até hoje.



Kit festa

Quem nunca teve uma decoração feita em casa com os famosos kits de isopor? Eles eram compostos por pôster, plaquinhas e toalha de papel crepom, e resolviam muito bem a vida da mãe. Vieram na mesma época dos guardanapos coloridos e do papel de bala de coco.


O que mudou

“Depois da papelaria personalizada, toppers, forminhas, topo de bolo e bandeirolas compõem o kit festa atual. E há até os mais elaborados para alugar, com bonecos e peças de decoração, comprados em lojas de locação”, diz a consultora de festa Kiki Pupo, do Kikids Party (SP).



Para apostar

Bandeirolas de tecido, bonecos de feltro e telas aquareladas são ótimas opções para incrementar os novos kits. Eles podem ser alugados em lojas especializadas. Dão aspecto original e criativo à comemoração.


Assim como a decoração, a maneira como as comidinhas passaram a ser servidas mudou ao longo do tempo. Isso porque ficou mais claro que a vontade de provar ou não determinado prato começa pela forma como ele é apresentado. É o famoso "comer com os olhos". Antigamente, essa apresentação se resumia, basicamente, aos saquinhos de papel coloridos para colocar os lanches e a pipoca.


O que mudou

Porcelanas, madeira e minipanelas são recursos usados para dar uma nova cara aos pratos clássicos queridinhos das crianças, como coxinha, cachorro-quente, hambúrguer, pipoca e brigadeiro.



O que está em alta hoje são as lembrancinhas que têm alguma finalidade. Se ela não for entregue no início da festa para que a criança a personalize e leve depois como recordação, melhor ainda. "Vale dar um colete de desbravador em uma festa temática de dinossauros; paper toys para que recortem, dobrem e criem bonecos; telas pintadas à mão e livros", conta Lilian Ruas.


E O BOLO?

A hora de cantar o parabéns é uma das mais aguardadas da festa. Na década de 90, os bolos mais comuns eram decorados com chantilly confeitado com biquinhos e repletos de cerejas ou raspas de coco. Imperavam também os recheios de doces e bolachas, que imitavam casinhas, castelos e animais.

Na sequência, vieram os decorados com papel arroz e os de pasta americana que, aliás, fazem sucesso até hoje. "No entanto, com a valorização dos produtos artesanais, que aliam simplicidade, qualidade e sofisticação, ganharam destaque as versões sem cobertura e até sem recheio, que lembram muito aqueles feitos pelas avós", diz a diretora criativa Tammy Montagna (SP). Vale lembrar que os bolos cenográficos, como os feitos de biscuit, são uma boa opção para quem deseja algo elaborado para as fotos, mas com preço acessível.


Em parte retirado de:

https://revistacrescer.globo.com/Festa-de-aniversario/noticia/2018/11/evolucao-das-festas-de-crianca.html



75 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page